Julho Amarelo

No mês de combate às Hepatites Virais, intitulado como Julho Amarelo, o Neolab traz importantes informações para a população, alertando sobre a prevenção e os riscos das doenças que, só no Brasil, mataram mais de 37 mil pessoas entre os anos 2001 e 2010, segundo dados do Ministério da Saúde.

A hepatite é uma doença viral infecciosa, que ataca o fígado e pode ser aguda ou crônica. Existem cinco tipos identificados de hepatite: A, B, C, D (Delta) e E. As dos tipos A e E só se manifestam de forma aguda, e o paciente elimina o vírus do organismo depois da crise. Mas os tipos B, C e D podem se tornar crônicos e pedem mais atenção dos órgãos de saúde no mundo. Testes laboratoriais para detecção da doença são imprescindíveis na luta contra a doença.

 

HAV Hepatite A: tem o maior número de casos, estando diretamente relacionada às condições de saneamento básico e de higiene. É uma infecção leve e cura sozinha. Existe vacina.

 

HBV Hepatite B: é o segundo tipo com maior incidência, podendo ter maior proporção de transmissão por via sexual e contato sanguíneo. A melhor forma de prevenção para a hepatite B é a vacina, associada ao uso do preservativo.

 

HCV Hepatite C: tem como principal forma de transmissão o contato com sangue. É considerada a maior epidemia da humanidade hoje, cinco vezes superior à AIDS/HIV. A hepatite C é a principal causa de transplantes de fígado, podendo ainda causar doenças como cirrose, câncer de fígado e até a morte.  Não tem vacina.

 

HDV Hepatite D: ocorre apenas em pacientes infectados pelo vírus da hepatite B. A vacinação contra a hepatite B também protege de uma infecção com a hepatite D.

 

HEV Hepatite E: transmitida por via digestiva (transmissão fecal-oral), provocando grandes epidemias em certas regiões. A hepatite E não se torna crônica, porém, mulheres grávidas que foram infectadas pelo vírus da hepatite E podem apresentar formas mais graves da doença.